Um amigo meu, dizia:
-”O meu nome não é importante:
só serve para me chamares!”
E desatava a rir:
e no seu riso havia
o nome oculto que ele sabia
sem saber pronunciar.”



António Barahona